Bem Vindo

Contato:

bastiuoeric@hotmail.com

Boas vindas!

Olá pessoal!

Nesse blog vocês ficarão informados sobre vários tipos de animais atuais e também vegetações.
Também tem enquetes, onde você pode escolher em que animal ou vegetação que você quer ler.
Além disso também terá notícias do assunto.
Também haverá dicas de outros blogs e sites do assunto.

Até mais!

Total de visualizações de página

Visitem!

Visitem!
O meu Blog sobre paleontologia!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Urso-polar ainda tem salvação, diz estudo

Ainda não é tarde demais para salvar a pele da vítima mais carismática do aquecimento global, o urso-polar (Ursus maritimus).



Uma nova pesquisa sugere que as plataformas de gelo do Ártico, das quais o bicho depende para caçar, não desaparecerão de forma rápida e irreversível conforme o planeta esquentar neste século.


O encolhimento do gelo, diz o estudo na revista científica "Nature", será mais gradual. O que significa que, se as nações da Terra conseguirem reduzir a emissão de gases agravadores do efeito estufa, vai ser possível evitar o colapso da espécie ártica. Mas o esforço terá de ser sério.

Um dos autores da pesquisa, Eric DeWeaver, da Fundação Nacional de Ciências dos EUA, calcula que o nível de dióxido de carbono (principal gás-estufa) na atmosfera terá de se estabilizar em 450 partes por milhão.



Como o nível hoje é de 390 ppm, isso significa uma redução das emissões de 70% até 2100. O número é compatível com o consenso nas negociações globais do clima --embora nenhum país esteja fazendo o esforço necessário para chegar lá ainda.


Para estimar o que aconteceria com os ursos, os cientistas usaram simulações computacionais do clima e do gelo marinho ao longo deste século, levando em conta vários cenários (pessimistas e otimistas) sobre as emissões.


Muitos pesquisadores temiam que as plataformas de gelo do Ártico fossem suscetíveis a um "ponto de virada" brusco. Esse temor vinha do fato de que o sumiço do gelo marinho parecia ser um processo que se autoalimenta.


É que a brancura do gelo, ao refletir a luz do sol, normalmente esfria ainda mais a área circundante. Quando o mar, mais escuro, fica um pouco exposto, ele absorve luz solar, esquentando o entorno e derretendo mais gelo.


"Mas o que nós vimos é que essa autoalimentação não acontece com tanta eficiência", diz Steven Amstrup, também autor do estudo, da ONG americana Polar Bears International. O estudo ainda alerta: sem corte de emissões, a população de ursos cairá para um terço da atual em 2050.


Plataforma de gelo essencial à sobrevivência de ursos-polares não vai desaparecer de modo irreversível


TROCA DE CASAIS REPRESENTA RISCO



Menos gelo no mar, menos focas dando sopa para serem caçadas --e agora os ursos-polares têm mais uma preocupação na cabeça: a troca de casais. De espécies diferentes, bem entendido.


O que acontece é que a perda de barreiras tradicionais, como geleiras, devido à mudança climática, está colocando em contato populações de espécies diferentes, antes isoladas. E esses bichos estão, cada vez mais, cruzando e produzindo híbridos.


O alerta, também dado na edição de hoje da revista "Nature", vem de um trio de pesquisadores liderados por Brendan Kelly, do Laboratório Nacional de Mamíferos Marinhos dos EUA.


Caçadores do Canadá e do Alasca já capturaram mais de um híbrido de urso-polar e urso-pardo (Ursus arctos horribilis). Um deles era o resultado do cruzamento de uma primeira geração de híbridos com um urso-pardo "puro".


Os ursos são só a ponta do iceberg, com o perdão do trocadilho. Kelly e colegas levantaram 34 casos recentes de possíveis mestiçagens entre espécies no Ártico, que vão de baleias à mistura entre belugas e narvais (dois "supergolfinhos", sendo que os segundos são dotados de chifres que parecem lanças).


A criação de híbridos nem sempre é algo ruim. Mas, se acontecer rapidamente, pode destruir o patrimônio genético de uma espécie.


E o caso de um mestiço de urso-polar com urso-pardo, nascido num zoo alemão, é assustador: o bicho tem tendência inata a pescar, como os polares --mas não sabe nadar. Na natureza, provavelmente seria um fracasso. Muitos cruzamentos assim seriam um desastre para uma espécie já encurralada.


Fontes:
  • UOL
  • Folha

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Uma pessoa que quer compartilhar com o que se interessa através de blogs.